quarta-feira, 2 de março de 2016

Workshop




Eu Mediadora me Confesso

Breve introdução à mediação de conflitos e à Magia do Diálogo
Workshop a ter lugar em parceria com a Red Apple, Lda, em Lisboa -
11 de Março e 8 de Abril


Alguns de nós, mediadores, tivemos já o privilégio de sentir  que Quando se cria um espaço de diálogo onde é possível proporcionar alívio, oferecer esperança, obter respeito e reconhecimento, ficamos com esta sensação de que alguma coisa acontece que ultrapassa a procura do acordo, mas que surge no decurso do seu processo de construção. O diálogo que implica a escuta, que não se cinge aos argumentos mas que trabalha os significados, permite criar algo mais que um acordo, um verdadeiro compromisso.

Perante uma lógica mais legalista, silogística, baseada nos argumentos e nos direitos, como explicar que os compromissos são emocionais, os obstáculos (ir)racionais e as partes protagonistas e especialistas do seu próprio conflito?



segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016


Dia 27 de Fevereiro de 2016, começa uma nova aventura. Mais uma edição da Pós-graduação de Mediação de Conflitos em Contexto Escolar

Deixe-se contagiar




Mediação Familiar Judicial no contexto do novo Regime Geral do Processo tutelar cível
(Comunicação realizada em “III Jornadas Luso-Brasileiras sobre Parentalidade”, a 18 de Abril, no Conselho Distrital de Coimbra da Ordem dos Advogados – uma organização de ASOS- Associação Soltar os Sentidos, d a Revista Digital Luso-Brasileira de informação e consciencialização para o tema da Alienação Parental e o Instituto Brasileiro do Direito da Família)

Descarregue a Comunicação : clique aqui


“O conflito é uma história à espera de ser contada” e os Mediadores são “escutadores” e contadores de histórias.

"Era uma vez…
Num dia frio de neve, o Mula Nasrudin sentou-se na praça da aldeia junto a um cego que pedia esmola. Perguntando, - posso sentar-me junto a ti? – Claro que sim, Nasrudin – respondeu o cego – reconheci logo a tua voz. Faz-me companhia.
Passado alguns minutos, o cego perguntou:
- Nasrudin, desculpa que te incomode, mas queria muito fazer-te esta pergunta. Por acaso sabes dizer-me como é a neve?
- a neve é branca – respondeu Nasrudin sem hesitação.
- Ah, -  disse o homem cego - percebi…
Mas uns minutos depois, ele perguntou de novo:
- Nasrudin, desculpa que te incomode de novo, mas como é branca?
-Branca – disse Nasrudin,  procurando as palavras, branca como o leite.
- Ah, - disse o homem cego - percebi…
Passado algum tempo, o cego volta a perguntar a Nasrudim:
Mas, desculpa incomodar-te outra vez, Nasrudim … mas, como é o leite?
Nasrudim coçou a cabeça pensando “e esta!? Como explico eu isto?”
-O Leite – disse Nasrudim -, o leite é como aqueles pássaros que estão nos lagos, tu sabes, os cisnes ...
- Ah, - disse o homem cego - percebi…
- Mas diz-me Nasrudim, como é um cisne?
- Bem, - responde Nasrudim, parando um pouco para pensar. – O cisne é um grande pássaro, com longas asas, um pescoço longo e curvo e um bico parecido ...
Nasrudim estendeu a mão e com o seu punho imitou o bico do cisne. O cego estendeu a mão e acariciou lentamente e com cuidado, o braço e a mão de Nasrudim, e então ele disse sorrindo:
- Ah sim, agora sim,  eu vejo como é a neve."
 Quando falo de Mediação de imediato me ocorre esta história, na qual enquanto aprendizes de mediadores nos comparamos com o cego ou, quando nos solicitam partilhar a nossa experiência nos sentimos um pouco como Nasrudim.





quinta-feira, 21 de janeiro de 2016


MEDIAR? SIM, PODEMOS!

"Viver significa participar no diálogo". Escolha conversar, em vez de litigar. Escolha a Mediação de Conflitos!
Divulga esta mensagem clicando aqui